Após ter pedido de troca recusado pela comissão de arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), por conta da escalação do árbitro Wilton Pereira Sampaio para o confronto desta quarta-feira (18) contra o São Paulo, no Morumbi, pelo jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil, o Flamengo foi incisivo nas críticas. Em declarações ao Globoesporte.com, o presidente do clube, Rodolfo Landim, citou, inclusive, que há um comportamento diferente da CBF com o Tricolor Paulista.

O mandatário ainda revelou que o Rubro-Negro elaborou um ‘dossiê’ da arbitragem, que leva em consideração três pontos principais (diferença de critérios, falta de transparência e repetição de árbitros que não agradam o Flamengo), e lembrou algumas situações envolvendo o São Paulo, que nesta terça esteve na CBF para acesso à analise do VAR em gol do Fortaleza, o que para Landim foi a gota d´água.

“Entendemos que o comportamento da CBF com o São Paulo é distinto dos outros clubes. Eu não vi o Gaciba hora nenhuma falar que houve um erro no campeonato, só uma vez e trocou a arbitragem do jogo do São Paulo contra o Grêmio. Não por acaso, o que aconteceu? Dois pênaltis claros não marcados e ninguém veio a público falar que houve erro”, declarou Landim.

“A mensagem que se passa é: “Cuidem-se se errarem contra o São Paulo”. A sinalização é de que quando o erro é contra, suspende. Quando é a favor, nada acontece”, prosseguiu.

No mesmo dossiê, constam imagens de pênaltis não marcados a favor do clube carioca, em toques de mão, e marcados a favor de adversários em situações parecidas. O Flamengo ainda faz questionamentos a Wilton Pereira Sampaio e Leandro Vuaden, árbitros que, na visão do Rubro-Negro, fogem da média de cartões distribuídos à equipe.

“Não tem leviandade. O Flamengo é um clube profissional e comandado por uma diretoria com um nome a zelar. São fatos e dados. Temos um estudo que mostra a diferença de critérios desde árbitros. O número de cartões distribuídos por eles em jogos do Flamengo é muito maior do que a média deles próprios no Brasileirão, e tiraram jogadores de jogos importantes”, disse.

“Não entendemos certos comportamentos e não há nem tempo para que a situação seja amenizada, parece que estão querendo deixar o clima do jogo (contra o São Paulo) ruim”, finalizou.