Flamengo revisa orçamento, bate R$ 270 milhões em vendas de jogadores e prevê aumento de receita em 2021

Readequação orçamentária deve ser votada na próxima semana pelo Conselho de Administração. Números mostram faturamento de R$ 984 milhões e previsão de superávit de R$ 130 milhões

O Flamengo planeja votar em seu Conselho de Administração, na próxima semana, a readequação orçamentária para o restante de 2021. O documento já foi entregue pela diretoria e mostra números que superaram as expectativas em relação ao início do ano.

O clube estima uma receita ainda maior do que a orçada no início do ano, como informou inicialmente o colunista Gilmar Ferreira: o faturamento bruto esperado é de R$ 984 milhões, contra R$ 953 milhões iniciais. O valor, porém, ainda pode mudar: nesta conta estão incluídos os R$ 87 milhões de premiação referentes ao Campeonato Brasileiro, mas ainda não leva em consideração possíveis premiações dos torneios de 2021.

Rodolfo Landim, presidente do Flamengo — Foto: Alexandre Lago

De qualquer forma, a previsão de superávit em 2021 é de R$ 130 milhões. A expectativa é de que o Flamengo consiga reduzir a dívida ao patamar do fim de 2018, com um patrimônio maior e uma receita recorrente superior.

– A gente espera chegar no fim do ano com um faturamento recorde. E também com um resultado positivo. O resultado que a gente espera é que seja superior a R$ 130 milhões de superávit – afirmou Fernando Góes, diretor financeiro, em entrevista à FlaTV.

Marketing e futebol superam expectativas

Em duas linhas de receita, os números apresentados superaram a meta. No marketing, a estimativa de receita com patrocínios, publicidade e royalties é de R$ 215 milhões, superando em R$ 25 milhões o orçado no início de 2021. A parte digital, como a FlaTV e outros ativos, foi destacada pelo diretor de marketing do clube, Marcos Senna.

– Temos ativos digitais muito melhores e mais desenvolvidos do que estavam há dois, três anos atrás. Conseguimos ir ao mercado e ter receitas proporcionais – afirmou Senna, em entrevista à FlaTV.

Nas vendas de direitos de jogadores, o clube atingiu R$ 270 milhões, contra os R$ 168 milhões orçados inicialmente. Esta sobra praticamente cobre os R$ 100 milhões estipulados pela diretoria no início do ano referentes a bilheteria, mas que não se cumpriram devido ao prolongamento das restrições da pandemia, o que também afetou o sócio-torcedor. Devido a isso, o clube teve uma perda de cerca de R$ 121 milhões.

Na revisão orçamentária, o Flamengo estima receber cerca de R$ 15 milhões de bilheteria com jogos até dezembro – o clube se prepara para ter público contra o Grêmio, pela Copa do Brasil no Maracanã, nesta quarta-feira.

Parcelas de venda de Gerson podem ser antecipadas

Ainda assim, devido ao parcelamento das vendas, o caixa atual do Flamengo não está completamente folgado. Por conta disso, a diretoria planeja antecipar o recebimento de duas parcelas da venda de Gerson, totalizando cerca de 7 milhões de euros (equivalente a R$ 43 milhões na cotação atual), através de uma operação com um banco. Isso, porém, também precisa ser aprovado pelo Conselho de Administração.

O clube recebeu, à vista, pela negociação do meia, 4,5 milhões de euros (cerca de R$ 28 milhões). Ao todo, o Flamengo vai receber 20,5 milhões de euros por Gerson, sem contar possíveis bônus previstos em contrato.